Os principais passos para a Análise de Crédito

Descubra como uma Análise de Crédito eficaz pode ajudar a evitar possíveis fraudes.

Humberto

Humberto Bocayuva • Social Media

• 5 min de leitura

Existem algumas medidas importantes para uma análise de crédito eficaz, que inclusive ajudam a evitar possíveis fraudes. Na matéria de hoje, vamos abordar as principais delas.



1. Identificar o cliente  


O primeiro passo é verificar, confirmar e atualizar dados cadastrais. Os principais dados para evitar fraudes são RG e CPF, que devem ser conferidos com a apresentação de um documento original. Além disso, documentos de renda mensal, comprovante de endereço, telefone e profissão ajudam a entender o perfil do seu cliente. Nem sempre é tão fácil obter todas essas informações ou ainda comprovar a veracidade de todas elas. A boa notícia é que birôs de crédito, como a Quod, disponibilizam consultas e relatórios que ajudam na confirmação desses dados. Eles podem ser acessados de maneira rápida, fácil e totalmente online.

Analisar o perfil financeiro do cliente, como o histórico de dívidas e inadimplência, é outra providência relevante. O histórico de dívidas é consultado via birôs como a Quod. A partir dos dados de inadimplência, os birôs de crédito também conseguem elaborar relatórios com o perfil de bom ou mau pagador dos clientes. 

Ao colocar em prática esses procedimentos, é possível entender e utilizar o Score de Crédito, que mede a capacidade de pagamento de acordo com uma pontuação que vai de zero a mil. Quanto mais perto de mil, maiores as chances de que a quitação do débito seja realizada em dia. Em geral, um cliente com menos de 300 pontos tem um alto potencial de inadimplência.


2. Analisar os dados financeiros 


A maior dificuldade, no entanto, não está em analisar os maus e sim os bons pagadores (aqueles que mantêm todos os seus compromissos em dia), já que essas informações são difíceis de serem encontradas. Mas há uma grande mudança em curso. A nova lei do Cadastro Positivo, recentemente aprovada, vai melhorar o ambiente dos negócios e da análise de crédito. Isso porque deve aumentar o volume de dados disponíveis, mostrando todo o histórico de crédito do consumidor, incluindo assim todas as contas que foram pagas em dia, o que ajuda a entender o perfil de risco dos clientes de maneira mais completa e precisa.



3. Limites e Projeções  

Também faz parte dessa estratégia definir um limite para a concessão de crédito. Para isso, é fundamental entender a capacidade de pagamento do consumidor. Ainda que o histórico do consumidor seja o de bom pagador, caso ele assuma um compromisso maior do que a sua renda mensal, as chances de superendividamento aumentam. “Clientes com parcelamento em muitos estabelecimentos simultaneamente talvez não tenham capacidade de honrar todos os pagamentos, por isso é necessário ter muito cuidado nesse ponto”, diz Ricardo Cervellini Thomaziello, Diretor de Dados e Análise da Quod. Neste caso, contar com os relatórios de birôs de análise de crédito pode ajudar a compreender as dívidas atuais do cliente e avaliar melhor os limites de crédito a conceder.


4. Utilizar o Score de Crédito  


Ao colocar em prática esses procedimentos, é possível entender e utilizar o Score de Crédito, que mede a capacidade de pagamento de acordo com uma pontuação que vai de zero a mil. Quanto mais perto de mil, maiores as chances de que a quitação do débito seja realizada em dia. Em geral, um cliente com menos de 300 pontos tem um alto potencial de inadimplência.